10 de novembro de 2011

Relembrando o VII encontro de Escaladores do Nordeste - em Campina Grande, Paraíba (2008)

Esta matéria foi retirado do blog tontohangon.blogspot.com com o título  "VII Encontro de Escaladores do Nordeste - em Campina Grande, Paraíba" por

Turma, acabo de voltar do Nordeste....
Fui convidado para ser palestrante e ministrar um workshop no VII Encontro de Escaladores do Nordeste. Este é um evento que a cada ano é realizado em um estado diferente do Nordeste, e nesta edição voltou à Paraíba, para Campina Grande. O evento deste ano foi organizado pelo CMP (Clube de Montanhismo da Paraíba).

Aproveitei que estava indo tão longe e me programei para passar a semana lá e conhecer um pouco das escaladas daquele lado desse Brasilzão. Não me arrependi...
O evento todo foi muito bem organizado, toda turma deu um super empenho, e vale um elogio a parte para o Claudionor Cavalcante, que foi o coordenador.
Tudo começou com um momento popstar, onde fui entrevistado ao vivo junto com o Claudionor para o noticiário estadual da manhã.
O evento foi realizado na Fazenda Archimedes Aranha, que no papel é o Parque Estadual do Poeta, mas que realmente só existe no papel. O proprietário da fazenda, Sr Adolfo Japiassú sempre liberou o acesso aos escaladores e deu todo apoio ao evento, liberando inclusive uma casa que estava abandonada para ser a "sede" do evento. A casa recebeu um super trato da galera do CMP, ganhou instalação elétrica, chuveiros, banheiros químicos, tendas do exército para as palestras e workshops, enfim, ficou tudo "nos trinques". Abaixo a casa e o acampamento.
Como uma típica casa de fazenda lá do interior da Paraíba, há pia, mas não há torneira... Você tira a água com balde da cisterna para lavar na pia.

O astral foi super legal e mais uma vez comprovei que é muito gostoso participar desse tipo de evento, não competitivo e totalmente voltado a compartilhar info, socializar e lógico, escalar muito. Nos primeiros dias eu sofri bastante com o calor, como uma criatura que anda vivendo no frio curitibano... Me salvou o Herbert, que topou acordar na madruga e ir escalar comigo das 5am até as 9am, horário que ainda não está calor e o Sol está mais maneiro. Vale ressaltar também a hospitalidade nordestina, inegualável, agradecimeto extra ao João Marques e a Laura que me hospedaram na casa deles.
Aqui a tenda onde foram as palestras e workshops.
A organização incluiu um mini guia de escalada do Parque do Poeta que todo participante recebeu, além de placas que sinalizaram as trilhas de acesso a todas pedras. As pedras não são muito altas, variando de 10 a 20m de altura, mas há muuuuuitas pedras. Granito. E o melhor é que estão a menos de 3km da cidade de Campina Grande, super fácil acesso.

Hora do rango, também um super empenho do pessoal da organização.
Palestra sobre acesso por corda para trabalho em altura, ou "alpinismo industrial" que o Adriano Peixoto "Ted" da Alpitec ministrou.
Foram meus colegas palestrantes além do Ted o Dalton Chiarelli e a Rosangela Gelly, todos do Rio, e que também ficaram alguns dias após o evento e fomos escalar juntos muitas vezes.
Um lado muito importante desse tipo de evento... conversar, fazer amigos, trocar infos e histórias.... Aqui, em alto estilo nordestino, na rede no acampamento.
Do encontro participaram aproximadamente 150pessoas, e aqui uma foto com o que a gente conseguiu juntar de uma vez só....
Aqui foi logo depois do encerramento, que fui com o João e com a Aninha, filha do João, que me levaram para conhecer a Pedra do marinho no fim da tarde.
Abaixo, a Macambira, espinhenta como ela só, inspirou o nome de uma nova via que o Chiarelli, a Rô e o Ted abriram na Pedra Escola lá no Poeta: "Danada Macambira". Aliás, esse trio é hiper pilhado para abrir novas vias e acabaram me contagiando também. Fazia muito tempo que eu não abria uma nova via de escalada, e foi muito legal retomar isso. Conto melhor mais abaixo...
Fim de tarde na Pedra do Marinho.
Cada bolinha de lápis nesse mapa da paraíba é pedra com escalada..........
Assim fomos com o Italo, filho do Claudionor após o encontro conhecer uma dessas bolinhas: Algodão de Jandaíra, meio no limite entre Brejo e Cariri. Muito louco o lugar.





Dentre as N pedras lá de "Algodão", escolhemos essa aí, a Pedra do Buraco, que além de interessante estava na sombra... E fomos lá... Com a pilha de abrir novas vias.
O resultado foi esse aqui:
4 vias novas, todas em móvel, não batemos nenhuma chapa ou grampo.
Eu e Italo abrimos 2, a "Pé de Besteirinha" e a "Vento do Cariri". Abaixo o Ted provando a Pé de Besteirinha.
A trupe: Chiarelli, Italo, Rô e Ted.
Infelizmente lá em Algodão de Jandaíra também presenciamos essa técnica super predatória, de cortar tudo para fazer carvão... Cortando inclusive o que nem vai se queimar para fazer carvão, como pés de Catus enormes, como na segunda foto abaixo. De dar um nó no coração.

Panorâmica de cima da Pedra Furada em Algodão de Jandaíra (clique na foto para ampliar!)


E a brincadeira de abrir vias não parou por aí... No dia seguinte eu, Pablo, Ted e Chiarelli fomos até a Pedra do Banguelo, onde com o pablo abri mais uma via, dessa vez mista de chapeletas e móvel com 2 enfiadas. A "Amnésia" 5ºsup com uns 80m. Na foto abaixo, saindo do chão, nos primeiros movimentos da via.



Agora para entender porque a via chama "Amnésia", e porque os fominhas de via nova do Chiarelli e do Ted não abriram uma via aí no Banguelo nesse dia... Assista esse filminho:



Bom, nem tudo é pedra e escalada, e fomos com a Maria José, esposa do Claudionor de guia até João Pessoa, onde tomei meu primeiro banho de mar do ano!!!!! Aqui abaixo em Cabo Branco, ponto mais oriental do Brasil (o mais próximo da costa da África).
Ted alugando o Chiarelli, que adora e fica totalmente a vontade na praia... (nem parece carioca!)
No dia seguinte fui com o João Marques para o Parque Estadual da Pedra da Boca, onde dormimos uma noite no camping do Seu Tico, um figuraça que não escala mas conhece todas vias e tem todo um vocabulário e jargão de escalador. É muito engraçado, gente muito boa. É aqui que foi o Encontro do Nordeste de 2005. na foto fica óbvio o porque do nome "Pedra da Boca".
Escalamos a "Via Sacra", que tem 8 enfiadas, mas emendamos várias e terminamos a via em fazendo apenas 5 enfiadas. Abaixo o começo da primeira enfiada.
Abaixo o João guiando a nossa segunda enfiada.
Muito visual, e temperatura agradável... mas começamos a escalar 6am!

João finalizando a última enfiada, já chegando no cume.
No cume, às 8:30am.

Panorâmica feita no cume da Pedra da Boca (clique na foto para ampliar!). Tem muuuuuuita pedra!Eu e o João.
O figura sangue bom do Seu Tico e eu.

E depois de uma siesta na rede, depois que o sol acalmou um pouco, partimos para outra via, a "Fratura de Têmpora", na Pedra da Caveira (na foto abaixo)Fim da primeira enfiada da Fratura de Têmpora.
Último dia de escalada foi sábado, na Pedra do Marinho, onde estava uma turma bem grande dos escaladores lá de Campina Grande. Escalei com o Alexandre, que me deu a honra de guiar tudo e fizemos praticamente todas as vias desse lado da pedra... Só faltou a "Hora do Recreio", que nñao conseguimos acabar por conta dos marimbondos, carinhosamente apelidados pelo pessoal lá de "borboletas do agreste".

Aeeeehhhhhh! Fim de trip... Obrigado pra toda turma de Campina Grande e pelo trio parada dura carioca por essa trip que foi pra lá de nota 10!!!!!
Abrazo ToNTo.

Para a galera que participou e curtiu esse encontro realizado na paraíba...que venha 2013 hehehe